Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

Na frescura dos meus anos, vagueio confiante pela estrada do tempo; escrevo, observo e recordo

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A ESCOLA DA VIDA

Vou passando os dias
envolta
em pensamentos e atitudes
com as quais
quero ir dignificando
as vidas!
Será que vou conseguir?
Talvez!
Se o desânimo
não me partir o coração
e as aprendizagens
de todos os segundos
forem bem aproveitadas…
porque a vida é uma escola
que não pára
de nos surpreender
e ensinar!
Que assim seja para sempre!


Hermínia Nadais

terça-feira, 13 de junho de 2017

Eu… e o meu mundo!

Eu… e o meu mundo???
Sinceramente...
No meio de tantas arrelias e tropelias tantas vezes desencontrada de mim mesma... acabo por não saber muito bem qual é ao certo o meu mundo!
Irei rodando no decorrer dos segundos tentando descobrir, na realidade, como  e onde me sentirei mais igual ao que realmente sou, e aí, de facto, será o meu mundo verdadeiro!
E neste ‘meu mundo’… o melhor da vida para todos os meus amigos e amigas!

Hermínia Nadais

sábado, 4 de março de 2017

NÃO JULGAR

Não julgar… é fácil de dizer e difícil de praticar!
A vida é uma longa ou curta caminhada
que deve ser de ascese e crescer constantes
que acabam por ser intermitentes
pois não obstante os esforços dispendidos,
só em pequenos momentos
serão em pleno atingidos.

Dizemos que é urgente não julgar
e nem sequer nisso nós pensamos
mas a todo o momento,
inexplicavelmente, nós julgamos:
julgamos o bom e o mau,
o grande e o pequeno,
o bonito e o feio, o rico e o pobre,
o palhaço brincalhão e o impertinente nobre,
a delinquência do desprovido
e a prepotência do sabichão enaltecido,
o roto, sujo e esfarrapado
e o ajeitadinho, elegante e bem cuidado,
o mal cheiroso e o perfumado,
o que enche a boca com frases disparatadas
e o que se compraz de as fazer bem estruturadas…

Julgamos o que, desnudado, vagueia pelas ruas,
e o que, com ou sem gosto, se acoberta por demais
deixando visíveis os olhos e nada mais…

Nós julgamos o que tudo faz para tudo ter com dura lida…
e o que nada faz para alcançar algo na vida…

Nós julgamos o egoísta e o caridoso,
o alto e o baixo,
o de rosto tratado ou rugoso,
o loiro de olhinhos azuis
e o moreninho de cabelos acastanhados,
o que usa trancinhas e travessões
e o que rapa o cabelo para não ter que se pentear,
a que pinta os lábios e dá brilho e esplendor ao seu cabelo
e a que tem as unhas sujas de tanto trabalhar…
porque… é porcaria e desmazelo!...

Julgamos o que usa fraque e tramelinho,
e o de calças de ganga
com pequeno ou grande buraquinho…

Irra!... Tanto julgar não dá para entender!
Será que não há mais nada para fazer?

E porque não tentar… para acabar
com todos estes julgamentos desleais…
aprender a julgar, sim,
mas cada um a si mesmo e nada mais!
Julgar a fundo todo o seu potencial
para encontrar formas
de destruir em si tudo o que é mal
e desenvolver mais e melhor o que bom for
e leve ao respeito mútuo e mútuo amor!...

Seria bom para dar fim ao que é tormento
neste mundo belo e acolhedor
escasso de momentos e de tempo…
e acabar com o desengano e desamor
que enche as vidas da mais imensa dor
e mal-entendidos que só causam sofrimento!

Hermínia Nadais


Torreira, 2012/06/29 – 17 10h

sábado, 18 de fevereiro de 2017

ESTRANHA FORMA DE VIDA

Hoje… como que sem noção do tempo perdi-me nas horas re-vivendo o passado que me transportou a este presente… e sonhando na prefiguração de um deslumbrante futuro… futuro que me não pertence mas penso me será dado viver!
No final… senti uma profunda felicidade pelo muito que poderei ainda vir a fazer pela felicidade de alguém a quem muito amo!
Esta, de facto, é uma boa maneira de encarar a vida quando se nos apresenta mais difícil que o habitual!...
Estranha forma de vida?...
Talvez não!... Mas momentos da vida um tanto ou quanto diferentes de muitos outros e que nos ajudam a ir mais  além no relacionamento familiar e social que necessita por demais da dádiva da compreensão e aceitação, a base do verdadeiro amor!

HN

domingo, 5 de fevereiro de 2017

DOMINGO…

Domingo… o dia dos dias…
o primeiro e o último dos dias!

O primeiro dos dias
porque nos fala de ressurgir,
mudar, viver, reviver, conviver,
encontrar, sonhar, sorrir…

O último dos dias,
porque nos satisfaz os desejos de união,
encontro, crescimento,
encantamento, doação,
discernimento,
olhar para dentro
e colocar na vida a descoberta de todo o encanto
que cada um tem bem dentro de si
para descobrir e aprimorar, momento a momento,
enquanto nos movimentarmos,
calmamente, por aqui!...

Mais um domingo passado cheio de surpresas e belezas,
maravilhas e dons, dádivas de vida e de amor!
Obrigado, Senhor!


Hermínia Nadais

domingo, 22 de janeiro de 2017

A NATUREZA


 Quando o vento brame
e o céu flameja
as nuvens dançam
e o mar encastelado
se enrola na areia da praia
os pássaros cantam
e os peixes se removem
tranquilamente nas águas
os leões rugem no deserto
e as vaquinhas se aquietam
para que lhes tirem o leite
o cão ladra e o gato mia
tudo Te louva Senhor
na mais plena harmonia.

Só o homem, Senhor,
inteligente
e que eternamente
Te deveria louvar
não tem tempo Senhor
p’ra Te encontrar!

Hermínia Nadais
 2009/12/22 – 12.60h

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

MANHÃ DE DOMINGO!

O céu azul cobre os telhados vermelhos
e grandemente inclinados
onde a neve branca e fria
tem dificuldade em se acolher!

Os passarinhos
sobrevoam suavemente o espaço
e poisam nas bermas das ruas!

Os recortes
colados nas janelas em frente
tornam mais acolhedor
este já acolhedoríssimo ambiente!

As minhas “três gaivotas” encantadas
saem agora dos WC.

Está a chegar a hora de partir por aí além,
atrás de outras encantadoras maravilhas
que o encantador norte do nosso Portugal
guarda e sustém.

Hermínia Nadais

2012/02/19 – 09.31 F. C. Rodrigo

domingo, 18 de setembro de 2016

O AMANHÃ!...

 O amanhã com que todos nós sonhamos
e que apregoamos na mais alta voz
não é pertença nossa!
O desejá-lo está bem dentro de nós
mas o nunca saber
se virá ou não a existir
pode tornar-se numa amargura atroz!

Então… que deveremos fazer
além de amortecer
a verdade desta realidade ?
Não guardar para amanhã
tudo o que no hoje
cada um puder fazer!

O amanhã precisava ser julgado
por todas as broncas de que é culpado
das inúmeras palavras que ficam por dizer
dos muitos gestos por realizar
de muitos beijos por dar
de muitos abraços que não podemos sentir
e das muitas batalhas que não nos propomos travar!

O amanhã é o eterno culpado
do enorme desleixo praticado
por quem na vida tudo deixa correr
porque amanhã há sempre tempo de fazer.

Amanhã… Amanhã!…
Se o Passado é pertença do tempo,
o amanhã é a incerteza da vida!

Então, pensando no bem-estar do outro
e com tudo o que dele sobrar
aproveitemos o presente
vivendo-o a cada instante
intensamente!

Telefonemos para quem queremos falar
escrevamos o que queremos escrever
beijemos a quem quisermos beijar
abracemos quem queremos abraçar
visitemos quem queremos visitar
digamos: “amo-te” a quem quisermos dizer
vistamos o que gostarmos de vestir
comamos o que gostarmos de comer
bebamos o que gostarmos  de beber
passeemos se gostarmos de passear
cantemos alto e forte até a voz doer
dancemos na alegria até não mais poder
e riamos até não mais acabar!

Hermínia Nadais 

2011/09/03

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Alentejo


Tudo é verde de encantar
e de amarelo salpicado
com casas aqui e além
e a pastar muito gado
vacas porcos e ovelhas
ainda cabras também
e árvores a enfeitar
esta paisagem de encanto
que o nosso Alentejo tem.

Nunca me canso de o ver
ao longo de todo o ano
com seu aspecto diferente
nas épocas que o medeia
e que sempre maravilha
a gente que o passeia.

Com o sol abrasador
cobrindo o seu chão dourado
ou com as nuvens cinzentas
sobre um manto esverdeado
onde os animais se espalham
um pouco por todo o lado
e os tractores vão lavrando
as suas terras barrentas
para colocar as sementes
que as vidas alimentam.

Alentejo, és vastidão
grandeza beleza e calma
ao homem dás emoção
muito amor ao coração
e um vibrar forte
na alma.
Hermínia Nadais


2004/02/23   16.07 h  (De passagem para o Algarve)

sábado, 23 de julho de 2016

NUNCA É DEMAIS FALAR DE AMOR

 Nunca é demais falar de Amor num tempo em que o horror anda à solta um pouco por todo o lado a encher de indignação qualquer pessoa minimamente capaz!
Nunca é demais falar de Amor enquanto que a infância e juventude são levadas a viver na busca do mais fácil e imediato que não leva a lado nenhum!
Nunca é demais falar de Amor quando se procura o bem-estar em todos os lados menos dentro da própria pessoa que é o local sagrado onde o Amor habita!
Nunca é demais falar de Amor a sério... pois fala-se por demais em amor mas não se vive no Amor verdadeiro, aquele que se dá sem peso nem medida e sem esperar nada em troca!
Nunca é demais falar de Amor quando os valores humanos não são devidamente postos em prática levando as pessoas a ocupar o lugar de coisas... o que não são, de todo!
Nunca é demais falar de Amor!...
Não sei! Quem sabe até... talvez até seja demais falar de Amor quando se não dá ao Amor o primeiro lugar na vida!
Nunca é demais falar de Amor, porque a verdadeira felicidade para que fomos criados só se encontrará colocando o Amor antes e acima de tudo!
Então, assim sendo... e porque assim é... nunca será demais falar de Amor nem viver de Amor e por Amor!
Que o Amor seja Amado!

Hermínia Nadais